Linha de Apoio ao Cliente: 808 208 408
Linha de Apoio ao Cliente: 808 208 408
+ de 25.000
MÁQUINAS COMERCIALIZADAS
Máquinas de Obras Públicas
e Movimentação de Cargas,
sendo que mais de metade
foram equipamentos JCB.
LÍDER
HÁ 25 ANOS
Em unidades vendidas
para o sector das Obras
Públicas e Construção Civil

Motivo Forestry – Entrevista à Comércio Máquinas

Motivo Forestry – Entrevista à Comércio Máquinas

No dia 1 de Dezembro de 2018 a Motivo fez uma demonstração de máquinas florestais em Pombal.

A Comércio Máquinas acompanhou a demonstração e fez uma entrevista onde falamos desta nova linha e do que nos levou a desenvolve-la.

É com entusiasmo que apresentamos a nova linha de máquinas direcionada para florestas, numa entrevista da Comércio Máquina.

 

Motivo Forestry – Demonstração Pombal 2018

No passado dia 1 de Dezembro tivemos a oportunidade de acompanhar uma demonstração de equipamentos florestais levada a cabo pela Motivo Forestry. Esta divisão da Motivo vem agora apostar neste mercado, através da aplicação das reconhecidas máquinas escavadoras da JCB em ambiente florestal.

Além disso, a Motivo Forestry comercializa cabeças processadoras da marca finlandesa Kesla, e destroçadores da TMC Cancela, marca bem conhecida que chega dos nosso vizinhos galegos.

A Motivo Forestry juntou nesta jornada várias dezenas de profissionais da floresta, perto de Pombal e teve em auxílio a experiente equipa da Ofipom que opera na assistência às máquinas a nível nacional.

ENTREVISTA

Os participantes puderam confirmar a invulgar capacidade das escavadoras JCB associadas à rentabilidade das cabeças Kesla e perceber que, em qualquer situação, terão ao seu lado uma equipa bem apetrechada para acompanhar as necessidades específicas de cada empreiteiro florestal.

No âmbito desta reportagem pudemos falar com os responsáveis da Motivo Forestry e perceber o alcance desta abordagem ao sector florestal.

CM: Qual a razão da aposta da Motivo no setor florestal?

MOT: O Sector florestal não é uma novidade para a MOTIVO. Nos anos 80 a MOTIVO teve um departamento florestal, nesses anos vendíamos gruas, escavadoras, forworders, skeeders, etc.
Com o início da representação da JCB, tivemos de abdicar de algumas das marcas desses equipamentos encerrando, por esse motivo, o departamento.
Nos últimos dois anos e alertados pelos brutais incêndios que assolaram as nossas florestas, repensámos o departamento e, depois de mais de ano e meio de preparação, decidimos apresentar-nos de novo no mercado.

CM: Quais as marcas em que a Motivo decidiu apostar para esta área de atividade? Que produtos se destacam?

MOT: As marcas obviamente são os vários produtos da JCB, a saber: escavadoras de rastos, escavadoras de rodas, pás carregadoras, empilhadores telescópicos a par da KESLA no sector da exploração florestal e a TMC na área da silvicultura.

CM: Quais os objetivos de negócio a médio prazo com esta área de atividade?

MOT: Pretendemos que esta atividade a médio prazo possa representar cerca de 10 a 15% do nosso volume de negócios. Pretendemos destacar-nos no mercado como fornecedor de soluções responsável, quer por equipamentos, quer pelos acessórios que os complementam.
Queremos ser O fornecedor das soluções!

CM: Quais as vantagens que consideram mais destacadas da utilização do binómio escavadora/cabeça processadora?

MOT: Uma das principais vantagens é o facto de no processo haver um só responsável, quer pela adaptação da escavadora ao sector florestal, quer pela maximização da cabeça processadora, evitando deste modo as desculpas de, por exemplo, em caso de avaria, o representante da máquina culpabilizar a cabeça e vice versa, o representante da cabeça responsabilizar a máquina.

Mais do que binómio escavadora/cabeça processadora, nós pretendemos ser o trinómio escavadora/cabeça processadora/adaptação MOTIVO Forestry.

Sendo um pouco mais explicito, a MOTIVO contratou um especialista de utilização de máquinas florestais, criou um departamento técnico e rodeou-se de 8 a 10 fornecedores para criar um conjunto harmónico e não colocar simplesmente uma cabeça processadora na escavadora, pôr uns ferros em cima da máquina e chamá-la florestal.

CM: Este é um sector onde uma boa assistência pós-venda é fundamental. O que tem feito a Motivo para responder a esta necessidade?

MOT: A primeira acção da MOTIVO foi garantir que o conjunto é equilibrado e para isso foi testado algumas centenas de horas. Houve ainda lugar a experiências fantásticas no Uruguai com um colega de marca, com quem aprendemos com a larga experiência deles de como se resolvem os problemas às mais de 100 máquinas, algumas a operar 3.500/4.000 horas/ano.
Treinámos ainda diversos técnicos da MOTIVO, quer com a fábrica JCB, quer com a KESLA e celebrámos um acordo com a OFIPOM (empresa reparadora de máquinas sediada em Pombal, com sucursais em Setúbal e Cacia com mais de 25 técnicos).

Quem está a assistir a esta nossa apresentação aqui em Pombal, tem a oportunidade de ver 4 carrinhas devidamente equipadas com jovens e mecânicos muito bem treinado

CM: Qual a receptividade que os visitantes/convidados estão a ter neste dia de demonstrações? Que conjuntos foram apresentados?

MOT: A recetividade está a ser excelente, podemos mesmo dizer que já superou todas as nossas expetativas. Estamos a fazer uma apresentação como os clientes gostam de ver, esta floresta é fiel à realidade com que os clientes se deparam no seu dia-a-dia, podendo desta forma ver como se comportam as máquinas no terreno.

Foram apresentados dois equipamentos completos com cabeças processadoras KESLA, é uma das mais recém chegadas ao mercado nacional, operados pelos nosso Demonstrador (ex-operador de máquinas florestais, com algumas de dezenas de milhares de horas de experiência).

Os clientes após observarem e analisarem o comportamento dos conjuntos JCB JS220/KESLA 28RH-II e JS145/KESLA 25RH-II teceram muito bons comentários.
Ouvimos de algumas das mais importantes e maiores companhias do sector comentários que nos enchem de orgulho como: “Perfeito! A trabalhar na perfeição”!!
Houve clientes que já trabalham com cabeças processadoras KESLA e ficaram encantados com as performances destes conjuntos.

– Percebemos que a abordagem da Motivo passará pela aposta na formação aos seus clientes. Pode-nos explicar como se materializará? Em que ações se traduzirá esta abordagem?
Estamos efetivamente a pensar dar formação aos operadores dos nossos futuros clientes, mas temos um projeto que demorará mais alguns meses, bastante mais ambicioso, e que ainda é cedo para o revelar.

Mais informações sobre Motivo Forestry em forestry.pt

 

Pode encontrar a entrevista com as imagens AQUI.